Isla Negra – o “barco” de Pablo Neruda

17
32

Para fechar a nossa viagem por terras chilenas, fomos até Isla Negra pois não podíamos deixar de visitar a casa do seu maior ícone literário: Pablo Neruda. Curiosamente, Isla Negra não é uma ilha. O próprio Neruda é responsável pelo nome Isla Negra, devido às rochas negras que afloram na orla costeira.

A sua paixão pelo mar levou-o a construir nesta terra a sua “casa-barco”, onde, ao longo de anos, foi acrescentando divisões para expor, de forma organizada e criativa, os objectos que coleccionava.

Na verdade, Neruda não se considerava um coleccionador. Afirmava que apenas gostava de juntar “coisas”, recordações duma vida repleta de memórias.

Apesar do seu fascínio pelo mar, Neruda tinha fobia de entrar nas suas águas. Mesmo assim, tal não o impediu de “navegar por terra”. Praticamente tudo nesta casa-museu faz lembrar um barco: os tectos baixos com passagens estreitas, as colecções de carrancas de proa, de portinholas, de conchas do mar, de garrafas de mil formas e cores, a âncora no jardim, os mastros de madeira.

Infelizmente, não nos foi possível tirar fotos do interior. Só conseguimos surripiar às escondidas uma foto do quarto onde Neruda passou os seus últimos dias de vida olhando para o mar.

Foi também ao mar que Neruda foi buscar o elemento-chave do seu brasão: um peixe no centro de duas esferas armilares.

Sendo das suas 3 casas a favorita, foi nestes jardins com vista para o mar que escolheu ser sepultado ao lado da esposa Matilde.

Nesta verdadeira “casa de surpresas”, sente-se a alma e o espírito deste poeta que marcou a história literária e política do Chile.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorSt Patrick’s Day – Copenhaga
Próximo artigoChristiania
Anabela e Alexandre (linguista e economista), apaixonados um pelo outro e pelas viagens. Juntaram as letras e os números e criaram Vagamundos - Blog de Viagens onde partilham as suas errâncias pelo mundo e motivam todos a viajar. Autores independentes dos livros Caminho do Amor e Rostos do Oriente. Aproveitam qualquer desculpa para vaguear pelo mundo. Viveram na Alemanha, Dinamarca e EUA. Praticam trekking e lounging, alternadamente. Gostam de sujar cozinhas e conversar até altas horas. Uma vez por ano fingem que tocam djambé.

17 COMENTÁRIOS

  1. Fui apenas na casa do Neruda em Valparaiso, achei muito peculiar e fiquei louca para tirar fotos! E também não podia…
    Isla Negra vai ficar para a próxima viagem ao Chile, fiquei curiosa agora.

    Obrigada pelo link!

  2. E eu que ADORO Pablo Neruda, gostei imenso de conhecer um pouco mais sobre ele, principalmente sobre esta sua casa… e que belas vistas sobre o mar… um mar que de certo, muitas vezes o inspirou…
    Obrigados pela partilha.
    Boa semana!
    Beijinhos,
    AA

  3. É curioso verificar que de tanto se repetir, corre-se o risco de esquecer que Pablo não é Neruda, que o é o outro, que vivia deste lado do Atlântico, o Jan. Talvez fosse de ir lembrando as pessoas, de vez em quando, deste detalhe.

  4. Hola Alejandra. Obrigado pelas palavras. A foto devia apanhar mais do interior do quarto, mas como não é permitido, foi o melhor que se conseguiu sem nos denunciarmos.
    Besos

    Deisoca, 🙂

    Olá Vitor. Uma senhora duma vista! Com duas janelas enormes do tecto ao chão, e aquele imenso mar como pano de fundo! Brutal 🙂
    Abraço

    Olá Claúdia. Isla Negra fica a cerca de duas horas e meia de Santiago (cerca de 100km) e sabemos que é possível apanhar autocarro (bus) dum dos terminais da cidade. Nós fomos de bus de Valparaíso (1h e meia de percurso).
    Neruda tem uma capacidade extraordinária de cativar os seus leitores.
    Bjs

    Olá Teresa. É mesmo um local envolvente. Não se lhe fica indiferente. E conta connosco quando precisares de dicas para a tua viagem ao Chile 🙂
    Bjs

    Olá Tita. É mágica, mesmo!
    Bjs

    Olá Valentim. A vida de Neruda foi muito preenchida, há muito mais para descobrir sobre este poeta. A casa é um pouco o reflexo da sua criatividade.
    Abraço

    Olá Carolmay. Também ficámos bastante tristes de não podermos fotografar em Isla Negra. A casa tem centenas de peças lindas e pormenores que são um encanto.
    Não percas também esta casa-museu quando voltares ao Chile!
    Bjs

    Olá Tiago. Obrigado pelas tuas palavras. Não percas a oportunidade de visitar o Chile. É dos países mais "completos" em termos turísticos. E vamos continuando a passar "Para lá do trilho" 🙂
    Abraço

    Olá Alexandrina. É sempre agradável cruzarmo-nos com informação sobre os autores que admiramos. Ainda bem que gostaste de "conhecer" a sua casa através desta crónica. Sabemos que aquele lugar inspirou Neruda para muitos dos seus trabalhos, inclusivamente, se a memória não nos falha, foi o mau tempo desta região que deu azo a um dos seus poemas mais conhecidos. Não nos recordamos é do título.
    Boa semana para ti também!
    Bjs

    Olá Ricardo. O pseudónimo que se tornou nome cívil, é uma curiosidade interessante.
    Abraço

    Olá Lacoste. Neruda sabia escolher os seus poisos 🙂
    Ainda falta mais um bocadinho de América Latina, agora na costa Atlântica 🙂
    Abraço

  5. Obrigado. Vão então passando no "Para lá do trilho" porque parto em breve para nova viagem e quero ver se tenho oportunidade de publicar coisas novinhas.
    Os videos é que se calhar vão só ser no facebook.
    Ainda não atinei com a publicação deles no blogspot desde que mudaram a versão.

  6. Olá Tiago. Vamos por lá passando concerteza. Para onde vai ser a partida? Se precisares de ajuda com os videos manda-nos um mail. Talvez consigamos ajudar.
    Abraço

    Olá Marshmallow. E que senhora de vista. Perfeita para inspirar o poeta! Não nos importavamos nada de ter uma assim 🙂
    Beijinhos

  7. Irlanda.
    Sem grande programação como eu gosto.
    Algumas noções. Ring of Kerry e Wicklow Way certamente que vão ser tentadas. A menos que o caminho me desvie para outras paragens.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here