Jerusalém – Monte das Oliveiras

11
74

Os primeiros passos dos VagaMundos na cidade santa foram dados no Monte das Oliveiras.

Para poupar uns quilómetros de caminhada, descobrimos um atalho para aceder ao miradouro. Ora, isso implicava serpentear pelo cemitério judeu.

A encosta do Monte das Oliveiras é praticamente despida de cor, toda ela está revestida de lápides. É que segundo a crença judaica, será neste monte que Deus começará a redimir os mortos no Dia do Julgamento. E quanto mais perto se estiver do seu cume, mais depressa o Messias – pelo qual os judeus continuam à espera – o salvará. Por isso, os judeus sempre procuraram ser aqui sepultados.

Chegados ao miradouro, demos de caras com o famoso “camelo de Jerusalém”. Já se tornou um highlight da cidade. A sua perseverança deu-lhe mérito como figura de postal.

Mas o nosso objectivo era ter uma das vistas panorâmicas mais bonitas da cidade de Jerusalém.

Descemos para visitarmos o Jardim de Getsémani situado no sopé do Monte das Oliveiras.

Acredita-se que Jesus e seus discípulos tenham aqui orado na véspera da crucifixão de Jesus. Segundo o evangelista Lucas, a angústia de Jesus no Getsémani foi tão profunda que “seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue, que corriam até ao chão.” O jardim tem algumas das mais velhas oliveiras do mundo, e para que não restem dúvidas, datação cientifica confirma que três delas têm mais de 2000 anos.

Visitámos a Igreja de Todas as Nações, ou Igreja da Agonia, onde nos deparámos com uma celebração eucarística para um pequeno grupo de peregrinos.

No lado oeste ainda se podem ver vestígios do oratório construído pelos Cruzados, misteriosamente abandonado.

Havia ainda tempo para visitar mais um lugar sagrado. Da estrada principal, avista-se a pequena cúpula assente em colunas encimada pela meia-lua islâmica. É um memorial a Mujir ad-Din, um juiz e historiador do séc. XV.

Mesmo ao lado, estão as escadas que dão acesso ao Túmulo da Virgem Maria, o nosso objectivo.

Atravessando o umbral, uma longa escadaria descendente conduz-nos a um sombrio e algo desamparado local onde se crê que a Virgem Maria foi sepultada. Os degraus gastos são prova clara dos milhões de passos dados pelos peregrinos há mais de 900 anos.

Suspensas sobre as nossas cabeças, centenas de lamparinas parecem nascer dum tecto enegrecido e bafiento. Mas quem ali vai, não procura um palacete erguido à Virgem, mas um silêncio peculiar que convida à oração e reflexão.

Na próxima crónica, esperamos levar-vos a acompanhar os nossos passos pela “Via Dolorosa”.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorOverview de Jerusalém
Próximo artigoVia Dolorosa em Jerusalém – uma viagem espiritual
Anabela e Alexandre (linguista e economista), apaixonados um pelo outro e pelas viagens. Juntaram as letras e os números e criaram Vagamundos - Blog de Viagens onde partilham as suas errâncias pelo mundo e motivam todos a viajar. Autores independentes dos livros Caminho do Amor e Rostos do Oriente. Aproveitam qualquer desculpa para vaguear pelo mundo. Viveram na Alemanha, Dinamarca e EUA. Praticam trekking e lounging, alternadamente. Gostam de sujar cozinhas e conversar até altas horas. Uma vez por ano fingem que tocam djambé.

11 COMENTÁRIOS

  1. Olá Vagamundos, sigo o vosso blog desde há algum tempo e gosto imenso, mas de modo especial adorei esta mensagem sobre a Terra Santa, o que partilharam e como sentiram os locais que visitaram. Não vou peder as próximas mensagens…
    Tudo de bom para vós!

  2. Olá Vagamundos,
    Que emoção visitar os lugares por onde passou Cristo!
    Confesso que imaginava o Monte das Oliveiras diferente, sem os cemitérios por perto. Mas me pareceu bem organizado. Vocês viram as oliveiras do tempo de Jesus Cristo?
    Imaginava que o túmulo onde supostamente estaria sepultada a Virgem Maria fosse mais pomposo. Não necessita, já que ela era uma pessoa pura e sem apegos materiais.
    Parabéns pelas reportagens à Terra Santa!

  3. Apesar de nunca ter sido até agora um destino prioritário, achei mto interessante este vosso post, e a forma como descrevem os locais por onde andaram. Fiquei curiosa e com vontade de lá ir.

  4. Olá Vagamundos:)
    desta V/ postagem só posso ficar agradecida em todos os sentidos.. ADOREI! Desde as fotos à V/ discrição/crónica… deve ser uma sensação indiscritível pisar esse solo…! Muito obrigados pela partilha!
    Beijinhos

  5. Olá Vagamundos, é muito bom poder voltar a Jerusalém através das vossas crónicas, pois aprendo sempre mais qualquer coisa. Desconhecia o túmulo de Nossa Senhora, pois não fazia parte dos lugares do tour.

  6. Olá Abelha Rainha. Sê sempre bem-vinda a este espaço. Obrigado pelas tuas palavras. Continuaremos a falar aqui das nossas vivências pela cidade de Jerusalém.
    Bjs

    Olá Juliana. O Monte das Oliveiras também foi uma surpresa para nós. A cidade emana de facto um espírito diferente, uma mistura de sacralidade e misticismo. É diferente percorrer um local tão antigo e tão carregado de simbolismo.
    Bjs

    Olá Lucy. Não percas a oportunidade de visitar Jerusalem. Por agora, há algo bem valioso na tua vida que te vai trazer outras alegrias 🙂
    Bjs

    Olá Alexandrina. É indescritivel, mas vamos fazendo por transmitir as memórias que nos ficam 🙂 Obrigado nós pela tua companhia e pelas tuas palavras!
    Bjs

    Olá Guida. Se conseguimos gerar o desejo de a visitares, já valeu bem a pena 🙂 Força nesse desejo!
    Bjs

    Olá Roadrunner. Bíblia, torah e al-corão, tudo no mesmo espaço 🙂
    Abraço

    Olá Valentim. Vai imaginando os teus passos por lá, é uma forma de antecipares a viagem. As oliveiras é que te vão levar a Jerusalém, mas vais descobrir uma imensidão de coisas para descobrir 😉
    Abraço

    Olá Marshmallow. A cidade tem tanta coisa para descobrir que o tempo não chega para tudo. Ainda bem que estas crónicas te fazem revisitar os locais que te são familiares. Pode ser que venhas a reconhecer mais coisas 🙂
    Bjs

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here