Jordânia – Guia, Roteiro e Dicas de Viagem

0
267
jordânia

A Jordânia é um dos países do Médio Oriente que mais nos encantou, a começar pela enorme simpatia das suas gentes. Neste artigo queremos ajudar-vos a preparar a vossa viagem a este pequeno, mas surpreendente país, onde a modernidade e a tradição andam de braço dado, e as maravilhas do homem e da natureza surgem um pouco por todo o lado.

Para a maioria das pessoas Jordânia é sinónimo de Petra, uma das 7 Novas Maravilhas do Mundo e Património da Humanidade da UNESCO. Percorrer o estreito Siq a pé ou a cavalo e obter o primeiro vislumbre do Tesouro, qual Indiana Jones na sua Última Cruzada, está no imaginário da maioria dos viajantes.

Sem dúvida que a antiga capital dos Nabateus é a joia da coroa do turismo da Jordânia, mas os encantos da Jordânia estão longe de se resumir a Petra. Muito pelo contrário…

Para nós a Jordânia é também sinónimo de boiar no Mar Morto, o ponto mais baixo à superfície da Terra, explorar o Deserto de Wadi Rum, o mágico deserto de Lawrence da Arábia, percorrer a imensa King´s Highway, visitar os castelos do deserto e as fortalezas dos cruzados, subir ao Monte Nebo, o lugar de onde o profeta Moisés avistou pela primeira vez a Terra Prometida, conhecer o Rio Jordão, o local onde Jesus foi batizado por João Batista, perscrutar as fotogénicas ruinas romanas de Jerash e deambular pela vibrante cidade de Amã.

Guia de Viagem Jordânia

Os melhores locais e pontos de interesse da Jordânia. Sugestões de roteiros e muita informação prática para preparar a sua viagem à Jordânia.

Informação Prática e Dicas de Viagem

bandeira jordania

  • Língua: Árabe
  • Olá em árabe: “Salaam Aleikum”
  • Capital: Amã
  • Moeda: Dinar (JOD)
  • Fuso Horário: GMT +2
  • Visto Jordânia: os cidadãos portugueses podem tirar visto à chegada (Visa on Arrival) nos aeroportos internacionais e na maioria das fronteiras terrestres. O visto de entrada individual é válido por dois meses e custa 40 JOD
  • Saúde e Vacinas: para entrar na Jordânia não existem vacinas obrigatórias. As condições higiénicas na Jordânia são relativamente boas. Recomenda-se evitar o consumo de água não engarrafada (grande parte da água canalizada até é potável, mas para estadias curtas há que evitar o consumo pois o corpo necessita de alguns dias de habituação e, no entretanto, não se livra de problemas de estômago) e ter especial cuidado no consumo de gelados, mariscos e carnes cruas.
  • Clima/Melhor época para visitar: sendo a Jordânia um país localizado no deserto não é de espantar que o Verão seja a época baixa. Entre Junho e Agosto os termómetros atingem os píncaros e visitar o Mar Morto e o deserto de Wadi Rum pode ser algo penoso. A vantagem de viajar no Verão são os preços, que são significativamente mais baixos. A melhor estação para visitar a Jordânia é, sem dúvida alguma, a Primavera (Março a Maio), pois as temperaturas estão agradáveis e o norte da Jordânia fica coberto de flores silvestres. O reverso da medalha são os preços, que nesta estação atingem os seus máximos. Viajar durante o Outono é também uma excelente alternativa, pois os preços são mais em conta e o clima é decente, apesar de haver alguma chuva em certas regiões. No Inverno as temperaturas descem significativamente (neva regularmente na Jordânia) o que torna a experiência de acampar no deserto bastante desagradável.
  • Custo de Vida: viajar na Jordânia é relativamente económico para padrões ocidentais. Não esperem os preços baixos do Sudeste Asiático ou da Índia, mas podem contar com preços bem inferiores aos dos países europeus e até mesmo de países da América do Sul, como Brasil ou Argentina. Existem muitas opções de alojamento e comida barata. Existem transportes públicos entre as principais atrações turísticas a preços económicos. As entradas nos monumentos é que não são baratas, sobretudo a de Petra, que custa 50 JOD para visita de um dia (bilhete de dois dias e três dias é de apenas 55 e 60 JOD respetivamente).
  • Locais a não perder: Amman, Petra, Wadi Rum, Mar Morto, Rio Jordão, Al-Karak, Madaba e Monte Nebo, Jerash, Castelos do Deserto, King´s Highway – a Rota dos Reis, Al Beidha, Castelo de Ajloun

O Melhor da Jordânia – o que ver e visitar na Jordânia

Petra

jordânia

Merecida vencedora das 7 Maravilhas eleitas em 2007, a incomparável Cidade-Rosa é um manancial de mistério e maravilhamento. Ir à Jordânia e não visitar Petra é quase pecado. Mas Petra é muito mais do que o famoso e icónico El-Khazneh, o Tesouro, ou o fotogénico Al-Deir, o Mosteiro de Petra. Petra é uma viagem ao tempo glorioso do povo Nabateu que construiu um dos maiores tesouros da Humanidade: a necrópole de Petra.

Wadi Rum

Entrar no deserto de Wadi Rum é como entrar noutro mundo. Ou até mesmo, noutro planeta. Não é à toa que Wadi Rum é também chamado do Vale da Lua. Na vastidão das areias rosa erguem-se monumentais rochas verticais esculpidas pelo tempo e pelos elementos. A paisagem subjuga-nos. Com tempo e imaginação, as rochas parecem ganhar vida. Um passeio de camelo e de 4×4 é imperativo. E assistir ao pôr-do-sol no deserto também!

Amã

Amã faz parte do número das cidades mais antigas do mundo continuamente habitadas. Desde o neolítico até à modernidade, Amman já conheceu vários nomes como sejam Rabath-Ammon e Philadelphia. O melhor de Amman é deambular pelas suas ruas e ruelas, embalados pelos pregões dos vendedores, pelo burburinho dos fregueses, pelo buzinar dos impacientes condutores e pelo incontornável chamamento para as orações. Dos monumentos destacamos a Citadela, O Anfiteatro Romano e a Mesquita Al-Husseiny, localizada no coração da cidade velha.

Jerash

Imaginem uma metrópole imperial perdida entre montes e vales verdejantes do Médio Crescente, cuja localização estratégica fez dela um entreposto comercial próspero e fundamental na província romana da Arábia. Isso é Jerash! O que não falta em Jerash são edifícios e locais cheios de história para se explorar. Uma verdadeira perdição para o arqueólogo que há em nós. Dentro deles destacamos o imponente Arco de Adriano, o Templo de Artemis, o hipódromo, a praça oval (ou Fórum), o anfiteatro, o templo de Zeus.

Mar Morto

O Mar Morto, para além da beleza dramática da paisagem, bate alguns recordes: é o ponto mais baixo à superfície da Terra (400m abaixo do nível do mar), a salinidade da água é a mais elevada do mundo (33,7% de salinidade, quando a média ronda os 3,5%), é a maior fonte de sais naturais à face da Terra (35 tipos diferentes de sais minerais). É devido a estas propriedades de salinidade que permite a qualquer pessoa boiar sem o mínimo esforço.

Castelos do Deserto

Pontilhando o horizonte do deserto oriental da Jordânia, encontram-se hoje as ruínas de alguns “castelos”. Na verdade são fortalezas, palácios, hospedagens e banhos que na sua maioria datam da dinastia Umayyad e situam-se ao longo da rota que ligava a Síria ao interior da península árabe. Entre eles destacamos o Qasr Kharana, o Qusayr Amra e o Qasr Al-Azraq, famoso por ter sido o local onde Lawrence da Arábia e os seus homens estiveram durante o inverno de 1917-18 aquando da Revolta Árabe contra os turcos.

Madaba e Monte Nebo

A cidade de Madaba, lar da maior comunidade cristã da Jordania, fica localizada a apenas 30km de Amman e o seu grande highlight é sem dúvida a Igreja Ortodoxa Grega de São Jorge onde se encontra o famoso mapa da Terra Santa feito em mosaico bizantino. A apenas 10km de Madaba fica o Monte Nebo, o lugar de onde o profeta Moisés avistou pela primeira vez a Terra Prometida e onde acabou por falecer e ser enterrado.

Al-Karak

Al-Karak é o nome duma cidade no sul da Jordânia, mais conhecida por albergar uma pérola da engenharia dos Cruzados, a fortaleza de Karak. Qualquer inimigo que se aproximasse deste gigante defensivo, tinha que duvidar da possibilidade de conquistá-lo. A fortaleza encima a extremidade sul do planalto cujo declive rochoso é por si só uma defesa natural intransponível.

King´s Highway – a Rota dos Reis

Esta rota ancestral liga o norte ao sul da Jordânia atravessando cidades históricas, planícies desertas, vales pintalgados de lagos (fruto das barragens), montanhas agrestes que parecem tiradas de outro planeta e até mesmo reservas naturais (Dana e Wadi Mujib). Por esta rota, de cerca de 330km (e que já existe há mais de 3000 anos), já passaram judeus a caminho da Terra Santa, Nabateus a caminho de Petra, Cruzados a caminho das suas fortalezas no deserto e peregrinos islâmicos a caminho de Meca. E todos eles deixaram por esta rota, de curvas sinuosas, imensos traços da sua passagem.

Castelo de Ajloun

A cidade montanhosa de Ajloun fica localizada a cerca de 75km a noroeste de Amman, numa das zonas mais frescas e verdes de toda a Jordânia (no Inverno neva por estes lados) sendo conhecida pelas suas florestas de pinheiros, pelos milhares de oliveiras que decoram os montes e pelos muitos pomares e vinhedos que pontificam na região. Mas é o Castelo de Ajloun (Qal’at Ar-Rabad) quem mais leva os turistas a visitar esta região. Este foi mandado construir no longínquo século XII por Izz al-Din Usama, sobrinho do famoso Saladim, com o objectivo de proteger as minas de ferro da região e impedir os ataques dos Cruzados que, na altura, estavam estabelecidos mais a sul, na cidade de Karak.

Sugestão de Roteiro para visitar a Jordânia

Amã – Ajloun – Jerash – Castelos do Deserto – Madaba e Monte Nebo – Al-Karak – Petra – Wadi Rum – Mar Morto – Amã

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here