Patagónia: Guia, Roteiros e Dicas de Viagem

5
912
patagonia

A Patagónia é um dos destinos de viagem que está no imaginário de quase todos os viajantes, sobretudo daqueles que, como nós, adoram a comunhão com a natureza e viagens em que a aventura é palavra de ordem.

1-5-de-39

Esta vasta região, partilhada pela Argentina e pelo Chile e localizada no extremo mais austral da América do Sul, guarda um sem número de belezas naturais. Montanhas imponentes, estepes que se perdem no horizonte, magníficos glaciares com os seus cristalinos lagos azuis e florestas centenárias duma vastidão arrebatadora.

1-34-de-39

Com tanta diversidade não é de estranhar que centenas de espécies de animais tenham encontrado na Patagónia o ecossistema perfeito. Os mais populares são os guanacos, as raposas, os pinguins, as baleias, os condores, as águias, os pica-paus e os flamingos.

As atividades de outdoor são praticamente infinitas. Trekking, passeios a cavalo, rafting, canoagem, escalada, caminhadas no gelo, ski… O difícil mesmo é escolher.

1-19-de-39

Apesar de ser uma região remota, inóspita e de clima inclemente, existem poucos lugares no mundo que estimulem mais a imaginação do que a mística Patagónia. A sua densidade populacional é uma das mais baixas do planeta, sendo que muitas das cidades contam com menos de 100 anos de existência e não são poucas as que nem 50 anos de colonização têm.

Mas ao longo dos tempos a sua vastidão, maravilhas e mistérios têm atraído e inspirado figuras famosas da história mundial, como Charles Darwin, Bruce Chatwin, Paul Theroux e até mesmo a famosa dupla de bandidos, Butch Cassidy e Sundance Kid, que viu na Patagónia o local perfeito para tentar levar uma vida honesta.

Guia de Viagem à Patagónia

Os melhores locais e destinos da Patagónia. Sugestões de roteiros e muita informação prática para preparar a sua viagem à Patagónia.

Informação Prática e Dicas de Viagem
  • Países: Argentina e Chile
  • Línguas: Espanhol
  • Moedas: Peso argentino e Peso chileno
  • Vistos: Não é necessário visto para cidadãos da UE
  • Saúde: Para entrar na Argentina e no Chile, não existem vacinas obrigatórias.
  • Melhor época para visitar: O verão austral (que vai de dezembro a fevereiro) é a melhor época para visitar a Patagónia, sobretudo para quem quer desfrutar de atividades de outdoor como sejam as caminhadas. Visto que o verão é a época alta, o revés da medalha são os preços elevados. O final da primavera (novembro e inícios de dezembro) e o início do outono (março e abril) são os meses que apresentam o melhor rácio preço/qualidade. O tempo é relativamente decente e os preços são bem mais em conta. No inverno a maior parte dos estabelecimentos turísticos da Patagónia encerra. A excepção são as estâncias de ski, como sejam Bariloche e Esquel.
  • Clima: o clima na Patagónia é muito rigoroso. O vento é quase uma constante e mesmo no verão as temperaturas são, regra geral, baixas (podendo mesmo nevar). Quando o sol descobre, os dias podem ficar surpreendentemente quentes. Leve roupa leve e quente e vista-se com camadas para se poder adaptar às várias condições atmosféricas. Num só dia pode viver todas as estações!
  • Custo de Vida: devido ao facto de ser uma região tão remota e com locais que passam grande parte do ano isolados por meios terrestres devido à acumulação de neve, o custo de vida na Patagónia é elevado. Espere preços de alojamento, transportes, atividades e alimentação ao nível das grandes metrópoles europeias ou norte-americanas.
  • Dicas para poupar dinheiro: na Patagónia existem imensos parques de campismo. Por isso, se é adepto de acampar, pode assim poupar significativamente em alojamento, mesmo que tenha de alugar equipamento no destino. Outra alternativa é ficar em hostels com acesso à cozinha. Se cozinhar a suas refeições, consegue poupar mesmo muito dinheiro. Nós optamos maioritariamente por esta última solução e conseguimos poupar centenas de euros.
  • Literatura sobre a Patagónia: O Velho Expresso da Patagónia, Paul Theroux; Na Patagónia, Bruce Chatwin; Patagónia Express, Luís Sepúlveda.
  • Locais a não perder: Bariloche, Parque Nacional Los Glaciares (Fitz Roy e Glaciar Perito Moreno), Torres del Paine, Isla Magdalena, Ushuaia

O Melhor da Patagónia – Locais a não perder

Bariloche – Parque Nacional de Nahuel Huapi (Argentina)

1-3-de-39

Bariloche, localizada nas margens do belo Lago Nahuel Huapi, está rodeada duma paisagem fértil em montanhas e cerros visíveis de todo o lado, fazendo lembrar uma pequena cidade Suíça. Tem uma extensa oferta de atividades ao ar livre, tanto de verão com caminhadas, rafting, pesca e campismo, como de inverno com os desportos da neve. Bariloche é inclusivamente o ponto base para uma das melhores estâncias de ski do mundo (Cerro Catedral).

No Parque Nacional de Nahuel Huapi existem centenas de quilómetros de trilhos para todos os gostos. Uma nota para os mais gulosos: em Bariloche produz-se dos melhores chocolates da América do Sul. Podem ceder à tentação e cometer o pecado da gula, pois uns quilómetros de caminhada garantem que não perdem a linha.

Esquel – Parque Nacional Los Alerces (Argentina)

1-11-de-39

Esquel é em nossa opinião uma das cidades mais underrated da Patagónia. O que lhe falta em afluência de turistas, ganha em autenticidade. Localizada no ponto de transição da floresta andina para a estepe patagónica, Esquel é o ponto de partida perfeito para visitar o soberbo Parque Nacional Los Alerces, onde se podem encontrar alerces com mais de 2000 anos de idade. Para além disso, é o ponto de partida do Velho Expresso da Patagónia (La Trochita), celebrizado por Paul Theroux no seu livro de viagens de nome homónimo. Razões mais do que suficientes para incluirmos Esquel na nossa lista de locais a não perder na Patagónia.

El Chaltén (Argentina)

1-18-de-39

El Chalten é uma das cidades mais novas da Argentina (fundada em 1985) e é como um íman para os amantes do trekking. Considerada como a capital do trekking da Argentina, El Chaltén não deixa os créditos por mãos alheias. As opções para caminhadas são tantas que o grande problema é escolher. El Chaltén é daqueles destinos para saborear devagar. Passar por El Chaltén à pressa devia ser considerado pecado. Siga o nosso conselho e reserve mais que um par de dias: vai ver que não se vai arrepender. O trilho Laguna Torre e o trilho Laguna de Los Tres (de onde se obtém a melhor vista do imponente monte Fitz Roy) são imperdíveis.

A própria localidade fica num dos cenários mais espetaculares da Patagónia – embora seja difícil não dizer que toda a Patagónia é um espetáculo. El Chalten é abrigada num vale “bárbaro”, como dizem os locais. Um cenário de montanha estrondoso, agulhas de rocha que parecem tocar o céu, glaciares, cascatas, rios e riachos encantadores, lagos e lagunas deslumbrantes, a singular vegetação patagónica e uma fauna diversa de onde se destacam os guanacos, as águias e os condores. El Chaltén é um verdadeiro paraíso para os amantes da natureza!

Glaciar Perito Moreno (Argentina)

1-15-de-39

Poucos glaciares conseguem igualar o suspense e a exaltação próprios do Glaciar Perito Moreno. Se temos alguma reserva é porque ainda não os vimos todos. As variações da tonalidade deste gigantesco rio de gelo, entre o branco ofuscante e o azul claro intenso, são a imagem de marca do glaciar mais famoso do planeta. As colunas de gelo compacto, com cerca de 5km de extensão e 60m de altura, desprendem-se progressivamente e despenham-se na água do Lago Argentino com estrondo. Uma experiência visual e auditiva extraordinária!

Puerto Natales (Chile)

1-29-de-39

Casas de latão ondulado, pintadas em tons pastel com um pequeno quintal rodeado por cercas de madeira é a imagem mais marcante que fica gravada na memória de quem visita a cidade austral de Puerto Natales no Chile. A Baía da Última Esperança dá-lhe o pano de fundo perfeito. Um lugar impecável para quem aprecia lugares tranquilos em que a água é o mote da contemplação. Não desprezando as rugosas montanhas que se erguem à distância e que constroem o labiríntico cenário desta paisagem que lembra os fiordes noruegueses.

Torres del Paine (Chile)

1-28-de-39

Elevando-se mais de 2000m em verticalidade quase total sobre a estepe da Patagónia, os pilares de granito das Torres del Paine dominam a paisagem daquele que é pra muitos o melhor parque natural da América do Sul. As Torres del Paine podem ser o atrativo principal, mas o parque tem outras maravilhas de inestimável beleza e valor contemplativo. Os lagos de azul intenso, os trilhos que serpenteiam por florestas esmeralda, o rumorejar violento dos rios por baixo de pontes exíguas e um glaciar de azul radiante são apenas alguns dos atrativos que convencem qualquer visitante a explorar o parque.

Isla Magdalena – Monumento Natural Los Pingüinos (Chile)

1-32-de-39

A Isla Magdalena, no estreito de Magalhães, é a casa de mais de 15000 pinguins-de-magalhães. Para chegar à ilha desde Punta Arenas, há que navegar pelo gelado Estreito de Magalhães cerca de duas horas. O pinguim-de-magalhães vive e reproduz-se em colónias muito populosas. As aves são bastante fiéis aos lugares onde nasceram e há colónias na Argentina e no Chile ocupadas pela mesma espécie há mais de cem anos. O Monumento Natural Los Pingüinos é o melhor local para observar os pinguins-de-magalhães em estado selvagem. A experiência é indiscritível!

Nota: só é possível visitar a Isla Magdalena entre novembro e março. Noutras alturas do ano os pinguins-de-magalhães estão por outras paragens.

Ushuaia – Tierra del Fuego (Argentina)

1-37-de-39

A carismática Ushuaia, a cidade mais austral acessível por estrada, espraia-se nas margens do Canal de Beagle, aninhada entre as encostas do Cerro Martial e do Monte Olívia e debruça-se sobre a Baía de Ushuaia. Os picos andinos da Tierra del Fuego, alguns com 1500m de altura e sempre coroados de neve, conferem à cidade um pano de fundo espetacular. Esta agradável cidade atrai todo o tipo de visitantes: o viajante independente, o amante dos cruzeiros e o explorador da Antártida. Ushuaia atrai ainda o amante das road trips que encara o ponto mais austral do mundo como o mais marcante para finalizar a sua odisseia sobre quatro ou duas rodas.

Ruta 40 (Argentina)

ruta 40

Bem sabemos que uma estrada não é tecnicamente um destino. Mas tínhamos de incluir a mítica Ruta 40 na nossa lista do melhor da Patagónia. Percorrer uma pequena parcela que seja desta estrada, que liga a Argentina de norte a sul ao longo de 5224km, é uma experiência que qualquer visitante da Patagónia não pode perder. As paisagens são simplesmente fabulosas e qualquer amante das road trips vai ficar enamorado pela Ruta 40. É importante referir que muitos dos troços da Ruta 40 na Patagónia não são asfaltados.

Sugestão de Roteiros para visitar a Patagónia

Roteiro Patagónia Norte

Bariloche – El Bólson – Esquel – Puerto Madryn

Principais higlights (atrativos) por localidade:

Bariloche: Parque Nacional Nahuel Huapi; lago Nahuel Huapi; subir aos Cerros Otto, Catedral e Campanario; percorrer os 60km do espetacular Circuito Chico; Villa La Angostura; Bosque de Arrayanes.

El Bólson: trekking nas soberbas montanhas que rodeiam a cidade; feira artesanal onde se vende todo o tipo de produtos caseiros; deambular pela pitoresca e descontraída cidade hippie.

Esquel: Parque Nacional los Alerces; visitar o Velho Expresso da Patagónia (La Trochita); desfrutar das soberbas vistas dos cerros que rodeiam Esquel; Laguna la Zeta; visitar Trevelin, a pequena cidade de raízes galesas.

Puerto Madryn: visitar a Península Valdés, um verdadeiro santuário da vida animal; observar baleias e orcas no seu habitat natural; visitar a colónia de pinguins de Punta Tombo.

Roteiro Patagónia Sul e Tierra del Fuego

El Chaltén – El Calafate – Torres del Paine – Puerto Natales – Punta Arenas – Ushuaia

Principais higlights (atrativos) por localidade:

El Chaltén: Cerro Torre;  Fitz Roy;  trekking Laguna de Los Tres; trekking Laguna Torre; Laguna Capri; Rio de las Vueltas; Mirador do Condor e das Águias; Lago del Desierto; Lago e Glaciar Viedma.

El Calafate: Glaciar Perito Moreno; navegar pelo Lago Argentino; desfrutar da imensidão da estepe patagónica e observar as manadas de guanacos.

Torres del Paine: circuito de trekking W; Mirador Condor; Salto Grande; Mirador Cuernos, Mirador del Nordenskjold; Mirador Torres, Lago e Glaciar Grey.

Puerto Natales: Cueva del Milodón; Baía da Última Esperança.

Punta Arenas: Mirador Cerro de la Cruz; Cemitério de Punta Arenas; navegar pelo Estreito de Magalhães até à Isla Magdalena, casa dos pinguins-de-magalhães; Forte Bulnes.

Ushuaia: Museu do Fim do Mundo; passear pela marginal de Ushuaia; Glaciar Martial; navegar pelo Canal Beagle; Cerro Castor; Comboio do Fim do Mundo; Parque Nacional Tierra del Fuego; Cruzeiro à Antártida.

Se desejar fazer uma grande volta pela Patagónia pode combinar os dois roteiros acima sugeridos da seguinte forma: uma vez em Esquel siga pela Ruta 40 até El Chaltén (pode alugar um carro ou fazer o percurso de autocarro).

Galeria de fotografias da Patagónia

COMPARTILHAR
Artigo anteriorLubeck: Guia de Viagem
Próximo artigoCopenhaga: Guia de Viagem da capital da Dinamarca
Anabela e Alexandre (linguista e economista), apaixonados um pelo outro e pelas viagens. Juntaram as letras e os números e criaram Vagamundos - Blog de Viagens onde partilham as suas errâncias pelo mundo e motivam todos a viajar. Autores independentes dos livros Caminho do Amor e Rostos do Oriente. Aproveitam qualquer desculpa para vaguear pelo mundo. Viveram na Alemanha, Dinamarca e EUA. Praticam trekking e lounging, alternadamente. Gostam de sujar cozinhas e conversar até altas horas. Uma vez por ano fingem que tocam djambé.

5 COMENTÁRIOS

    • Obrigado pelo feedback Valderes. Nós fizemos ambos os roteiros em cerca de 6 semanas, com muito calma mesmo, até por fizemos mesmo imensas trilhas. O roteiro Patagonia Norte consegue fazer em 2 semanas sem correr nada e com muito tempo para desfrutar. No Sul consegue fazer bem em 20-25 dias, dependendo das caminhadas que pretender fazer em El Chalten e Torres del Paine, etc. Rápido da para fazer em 2 semanas mas tem de cortar em muitas atividades. E como o clima é muito incerto tem sempre o risco de ter de adiar uma trilha 1 dia ou dois. Qualquer dúvida é só dizer. Abraços

  1. Boa Noite!
    Estou agora a iniciar a programação da minha viagem a Buenos Aires e Patagónia mas n está a ser fácil… Estou a ver q os 17 dias q tenho n vão dar pata tudo.
    Pensei em ficar:
    – 5 noites Buenos Aires. É mt?
    – 5 noites em Bariloche com carro alugado para ver todos os Pq Nac das redondezas e para fazer a Rota dos Lagos
    – Depois vamos para El Calafate mas dp de ler o vosso post considero alugar carro por dois dias p ir El Chaltèn
    Em El Calafate pretendo ficar mais 2 noites. É fácil ir desde daqui até Pq Nac Torres del Paine?
    – Por fim 2 noites em Ushuaia
    Sugerem algumas alterações?
    Mt obg desde de já.

    • Olá Mariana
      Em 17 dias é difícil ver tudo mas já dá para conhecer muita coisa. Tendo em conta que estão com tempo limitado conseguem ver Buenos Aires relativamente bem em 3 dias.Se quizerem ir a Colonia del Sacramento (Uruguai) num daytrip então alocávamos 4 dias para aí. 5 dias em Bariloche já dá para conhecerem bem a região, até porque vão estar com viatura própria. Em El Chaltén e depende muito das caminhadas que querem fazer. 2 dias dá para fazer alguns pequenos trilhos em redor da cidade e o trilho da Laguna de los tres, um dos mais emblemáticos da região. Mais um dia conseguem fazer o trilho Laguna Torre. De El Calafate a Torres del Paine são 400km mas as estradas são boas. Demora cerca de 5 a 6 horas a chegar lá desde El Chalten. 2 dias em Ushuaia dá para conhecer os pontos mais emblemáticos. Boa Viagem!

  2. Bom dia!
    Dp de tudo planeado estou com algumas dúvidas, será que me podem ajudar?!
    O meu roteiro será o seguinte:
    – 22 a 26 Nov- Buenos Aires
    – 26/11 pela manhã aterramos em Trelw para visitar Península de Valdes
    – 29/11 pela manhã voamos para Ushuaia onde ficamos até as 15h do dia 2/12
    – 2 Dez aterramos à tarde em El Calafate
    – Ficamos dois dias em El Calafate P visitar Perito Moreno bem como glaciar Upsala e G Onielle
    – No dia 5 Dez pela manhãzinha arrancamos P El Chalten onde ficaremos até 10 Dez.
    A ideia era fazer trekking Laguna Torre, o Glaciar Viedman, Trekking Laguna 3 Hermanas e Laguna Sócia e o G Piedras Blancas
    – no dia 10/12 pela tardinha regressamos a Buenos Aires
    A minha dúvida é precisamos de tantos dias em El Chalten? E em Ushuaia? Troco USHUAIA POR torres Del Peine?
    Se me puderem ajudar seria óptimo.
    Uma vez mais obg

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here