Salta

0
21
salta
A cidade argentina de Salta tem-nos conquistado ao longo destes dias. Apesar de não termos criado grandes expetativas, o que é um facto é que temos calcorreado as ruas e avenidas ininterruptamente, temos adorado as suas praças onde nos sentamos a observar a movimentação dos locais e até nos interpelam para trocar dois dedos de conversa. Pode-se dizer que os salteños são extrovertidos. Da sua simpatia, não temos qualquer dúvida.
Um dos principais pontos a favor é a oferta gastronómica com uma grande variedade de especialidades locais e da região e os preços são como em todo o lugar, desde o mais económico ao mais dispendioso. E para quem já vinha com saudades dum belo bife, que lugar melhor do que a Argentina para satisfazer esse desejo.
Apercebemo-nos que Salta atrai muitos viajantes independentes e parece que o número vem crescendo ao longo dos últimos anos. Sendo um espaço urbano, a oferta de acomodação económica é um dos chamarizes e tem todas as condições para quem precise de planear e tratar da logística da viagem. Para além disso, há muito para entreter qualquer visitante. E à noite a cidade vibra e é muito dinâmica.
Em termos arquitetónicos também é uma cidade estimulante. Os edifícios coloniais são uma constante no centro e nota-se o esforço em preservar os monumentos históricos. As igrejas são dos edifícios históricos com maior presença, destacando-se a Iglesia Catedral e a muito adornada Iglesia de San Francisco.
COMPARTILHAR
Artigo anteriorQuebrada de Pumamarca
Próximo artigoQuebrada das Conchas
Anabela e Alexandre (linguista e economista), apaixonados um pelo outro e pelas viagens. Juntaram as letras e os números e criaram Vagamundos - Blog de Viagens onde partilham as suas errâncias pelo mundo e motivam todos a viajar. Autores independentes dos livros Caminho do Amor e Rostos do Oriente. Aproveitam qualquer desculpa para vaguear pelo mundo. Viveram na Alemanha, Dinamarca e EUA. Praticam trekking e lounging, alternadamente. Gostam de sujar cozinhas e conversar até altas horas. Uma vez por ano fingem que tocam djambé.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here