Seguro de Viagem – vale a pena?

0
367
Seguro de Viagem

Uma das questões que colocamos antes de qualquer viagem é se é realmente preciso fazer seguro de viagem. A nossa experiência diz-nos que há situações em que se justifica, e aconselha, a compra dum seguro de viagem.

Seguro de Viagem

Quando compramos o seguro de viagem, estes são sumariamente os fatores que ponderamos: a duração da viagem, o destino ser fora da UE, as atividades que vamos realizar, os riscos inerentes e o equipamento que levamos.

Há inúmeras seguradoras que oferecem planos adequados a cada situação, mas os preços podem não concordar com todas as carteiras. Nós recorremos sempre ao pacote Explorer da World Nomads porque é rápido, tem um ratio custo-benefício positivo e tem tudo o que precisamos: oferecem planos com várias soluções que contemplam muitas necessidades específicas dos viajantes; são especializados, ou seja, sabem o que o viajante precisa; tem uma vertente de responsabilidade social com a aliança à Footprints, que angaria fundos e dinamiza projetos de desenvolvimento para pequenas comunidades, e são os favoritos da comunidade internacional de viajantes independentes.

Contudo, esta é uma decisão que cabe sempre a cada viajante tomar consoante a sua situação específica.

Por um lado, quando planeia uma viagem independente, o principal objetivo pode ser gastar menos para viajar mais. Um seguro de viagem é um custo adicional que encarece a viagem e só na eventualidade dum acidente (cruzes, credo, canhoto!) é que pode beneficiar dessa proteção. Pois, mas as coisas não acontecem só aos outros e ninguém está imune de acidentes. Em viagem o imprevisível acontece. Um dia o azar bate à porta e neste caso o azar pode custar uma fortuna. Precisámos de assistência médica de emergência enquanto estávamos nos Estados Unidos e sabemos que a fatura custa bem mais do que os olhos da cara. Salvou-nos o nosso seguro.

Por outro lado, comprar um seguro de viagem pode não fazer sentido para alguns viajantes ou tipos de viagem.

  • Numa escapadela dentro de Portugal obviamente que pode abdicar do seguro de viagem.
  • Para as viagens ao estrangeiro de baixo custo e curta duração também não se justifica a sua compra, a não ser que incluam atividades de risco.
  • Para viagens em território europeu, basta o Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) destinado a “cidadãos que vão viajar para um Estado-Membro da União Europeia, Islândia, Listenstaina, Noruega e Suíça” (mais informação no site da Segurança Social).
  • Antes da viagem, deve também analisar o que já tem: o cartão de crédito, seguro automóvel ou seguro de vida contemplam algumas das proteções que precisa para o seu destino, portanto, o seguro de viagem pode acrescentar pouco.

A maioria das pessoas compra um seguro de viagem para evitar constrangimentos e poder tirar partido da sua viagem de sonho com tranquilidade. Basicamente, um seguro de viagem é conveniente para não perder dinheiro devido ao cancelamento ou interrupção de uma viagem e evitar gastar dinheiro numa fatura astronómica por atendimento médico de emergência durante uma viagem.

Por norma, os seguros de viagem incluem as seguintes coberturas, dentro de condições muito específicas:

  • perda, extravio, roubo e deterioração de bagagem (atenção, a maioria não inclui valores e equipamento),
  • cancelamento ou interrupção da viagem,
  • despesas de assistência médica em caso de emergência,
  • transporte ou repatriamento em caso de acidente,
  • indemnização por morte ou invalidez.

Apesar de, na grande maioria dos países, não haver obrigação legal, há muitas razões pelas quais precisa de seguro de viagem. Apresentamos aqui algumas delas.

  • se ficar doente antes da viagem que já reservou e tiver que cancelar, um seguro de viagem pode permitir o pedido de reembolso, total ou parcial, do custo pré-pago,
  • muitos planos de seguro de viagem oferecem cobertura se precisar de cancelar uma viagem devido a condições extremas de tempo no destino,
  • há apólices que podem cobrir bagagem perdida, danificada ou roubada,
  • o seguro de viagem pode cobrir, total ou parcialmente, os custos de cuidados médicos de emergência durante a viagem,
  • no caso de precisar de recorrer a um médico ou hospital para uma emergência, de evacuação do país por razões de saúde, de evacuação por condições extremas de tempo ou instabilidade política, deve acionar o seu seguro para lhe prestar essa ajuda,
  • o seguro de viagem pode preencher lacunas que outros seguros que tenha não cobrem.

Deve começar por analisar determinados aspetos da sua viagem, com honestidade e sensatez, antes de tomar uma decisão de compra. A sua tomada de decisão deve ser informada e ponderada:

  • quais são as possibilidades de vir a precisar de acionar o seguro?
  • até onde estou disposto a assumir os riscos?
  • quanto é que vale para mim a minha tranquilidade em viagem?
  • quanto tempo vou viajar?
  • para onde vou viajar? (navegue na página da OMS para avaliar os riscos do seu destino)
  • a minha viagem implica realizar atividades físicas com algum risco?
  • tenho alguma condição física ou de saúde que implique cuidados médicos?
  • tenho suporte financeiro para custos de emergência?
  • que equipamento e que valores levo comigo?

É claro que é preciso compreender o básico sobre o que está e não está incluído neste tipo de seguro, o que obriga a pesar prós e contras da sua compra, fazer muita pesquisa sobre condições e preços, indagar várias companhias no sentido de escolher a que melhor o protege na sua situação específica (fazer todas as perguntas, por mais inocentes ou parvas que lhe pareçam, nunca é demais), comparar a oferta, avaliar o custo-benefício, ler todas as linhas duma apólice (principalmente as de letra miúda)… Não é tarefa fácil, concordamos. Mas esperamos que este artigo lance alguma luz sobre o assunto.

Como mais vale prevenir que remediar, o nosso conselho é: compre um seguro de viagem que cubra o que realmente necessita para ter paz de espírito e livrar-se de preocupações enquanto viaja.

Fazer simulação de seguro de viagem

Dicas práticas para preparar a sua Viagem

COMPARTILHAR
Artigo anteriorTop Monumentos a não perder
Próximo artigoComo faço para planear a minha viagem?
Anabela e Alexandre (linguista e economista), apaixonados um pelo outro e pelas viagens. Juntaram as letras e os números e criaram Vagamundos - Blog de Viagens onde partilham as suas errâncias pelo mundo e motivam todos a viajar. Autores independentes dos livros Caminho do Amor e Rostos do Oriente. Aproveitam qualquer desculpa para vaguear pelo mundo. Viveram na Alemanha, Dinamarca e EUA. Praticam trekking e lounging, alternadamente. Gostam de sujar cozinhas e conversar até altas horas. Uma vez por ano fingem que tocam djambé.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here