Dolce Vita – Alpaca e Danças Andinas

Na nossa noite em Aguas Calientes procurávamos algo de realmente típico, de forma a podermos sentir um pouco mais as tradições das gentes andinas. Também o objectivo da nossa busca duma novidade culinária, estava bem definido: alpaca – animal da família dos camelídeos, muito parecido com a Lama.


Após um pequeno passeio pelas ruelas da pequena aldeia, encontramos aquele que nos pareceu ser o lugar perfeito para um serão perfeito. Um restaurante, que para além de possuir uma decoração típica e acolhedora, possuía bem no centro da sala de jantar, uma parrilla à antiga, ou seja ainda alimentada a cavacos de madeira e não a gás canalizado ou carvão tratado.

Daqui saiu directamente para a nossa mesa um delicioso, generoso e suculento bife de alpaca. E sublinhamos o suculento sem desmérito do delicioso. Para quem seja bom garfo, nada como dizer: é de comer e chorar por mais. Outra pérola gastronómica andina. Para apurar o paladar, e juntar mais um prazer terreno ao banquete, um bom vinho chileno. Haviam-nos despertado a curiosidade para o Undurraga, seguimos a sugestão e não nos arrependemos.

Dos sabores avançamos para as cores!

Como acompanhamento da já referida refeição de alpaca, assistimos a uma actuação de música e danças andinas.
Os sons já nos eram familiares. Tanto dos passeios pelas ruas de Aguas Calientes como de Cusco, havíamos já “saboreado” alguma música tradicional da região. O mais interessante e surpreendente é que, desta feita, os nossos artistas nos brindaram cantando em Quechua, ou melhor dizendo, num dos seus 46 dialectos. O Quechua é uma língua milenar que precede o império Inca e é falada ainda nos nossos dias na zona central dos Andes. Peru, Bolívia, Colômbia e Equador são alguns dos países que ainda guardam bem viva a memória linguística. Só no Peru estima-se que mais de 3 milhões ainda utilizam o Quechua como língua de comunicação no seu dia-a-dia.

Para presentear os turistas entram em cena dois casais de dançarinos. A música, aliada à jovialidade dos dançarinos, invadiram a sala de alegria e atraíram ao exíguo espaço da porta de entrada uns rostos pequeninos, de olhos curiosos e atentos. O espaço encheu-se de cor. A cor é sem dúvida uma característica indissociável do trajar dos peruanos, quer nos trajes tradicionais e domingueiros, quer na roupa da vida diária de labuta. E são exactamente “retratos” da vida que são transformados em dança colorida: o rapazola fazendo a corte à jovem envergonhada, o primeiro beijo roubado, a indolor estalada como resposta ao abuso, os arrufos de namorados com elas a repreenderem a bebedeira agarrada com os amigos. Impossível não reagir com uma gargalhada sonora às “leoas” defendendo o seu homem dos arrojos da outra.

Cor, movimento, sons, música… ingredientes agradavelmente combinados que fizeram deste momento mais um retrato para juntar ao nosso álbum de memórias.

 

Prepare a sua próxima Viagem

Reserve o seu alojamento através do Booking.com. É onde encontramos sempre as melhores promoções e permite cancelar a reserva sem custos.

Anda à procura de voos baratos? Então utilize a Momondo para encontrar as melhores tarifas aéreas do mercado.

Gostamos de jogar pelo seguro e como tal, nas nossas viagens, não dispensamos o seguro de viagem do WorldNomads.com

Esta página contem links afiliados. Se efectuar as suas reservas através desses links recebemos uma pequena comissão. Dessa forma está a ajudar o blog “VagaMundos” a manter-se vivo. E o melhor de tudo é que você não paga mais por isso. Muito Obrigado!
COMPARTILHAR
Artigo anteriorAguas Calientes
Próximo artigoCusco II – a caminho de San Blas
Anabela e Alexandre (linguista e economista), apaixonados um pelo outro e pelas viagens. Juntaram as letras e os números e criaram Vagamundos - Blog de Viagens onde partilham as suas errâncias pelo mundo e motivam todos a viajar. Autores independentes dos livros Caminho do Amor e Rostos do Oriente. Aproveitam qualquer desculpa para vaguear pelo mundo. Viveram na Alemanha, Dinamarca e EUA. Praticam trekking e lounging, alternadamente. Gostam de sujar cozinhas e conversar até altas horas. Uma vez por ano fingem que tocam djambé.

7 COMENTÁRIOS

  1. Ora nem mais! Turismo na verdadeira acepção da palavra.

    Confesso que fiquei a salivar com a visão do belo naco de carne no prato:) Já não bastava a mesma, ainda tivemos que levar com a descrição sumarenta.

    Abriu-me o apetite:)

    Belo album de memórias que vocês vão construindo!

  2. Olá Carriço. Nos também não nos atreveriamos a colocar os nossos dois pés esquerdos na pista 🙂 Ficamo-nos pela mesa a assistir, que nisso somos bons 🙂
    Abraço

    Olá Paulo. De apetite aberto ficamos nós com o caril da Mãe 😉 Obrigado por partilhares das nossas memorias.
    Abraço

    Olá Valentim. A intenção é mesmo essa, dar a conhecer um pouquinho do Peru e abrir o "apetite" para uma visita.
    Abraço

  3. Que delícia de experiência! Aqui temos bastantes cores. Infelizmente não temos é suculentos bifes de… nada! A carne quando existe, é cozinhada ao ponto de ser irreconhecível. Será que as Alpacas se dariam por cá? questino a salivar em directo da India…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.